Notícias Curso Teoria, Linguagem e Crítica

O Cinema em Cena promoverá em Belo Horizonte, em Setembro de 2017, o curso de Teoria, Linguagem e Crítica Cinematográficas ministrado pelo crítico Pablo Villaça, diretor do Cinema em Cena (www.cinemaemcena.com.br), um dos mais antigos e respeitados sites brasileiros do gênero - e que ao longo de 2009 a 2017 somou mais de 3.700 alunos de todas as regiões do país.

000000-1

Com 65 edições já realizadas em São Paulo, Curitiba, Porto Alegre, Rio de Janeiro, Brasília, Recife, Maceió, Campinas, João Pessoa, Manaus, Salvador, Fortaleza, Santos, Goiânia, Aracaju e Florianópolis, o curso, que voltará a acontecer em Belo Horizonte depois de dois anos, busca oferecer aos alunos ferramentas para que estes possam enxergar os filmes com um olhar mais aguçado, estabelecendo conceitos importantes de teoria cinematográfica ao mesmo tempo em que os reforça com exemplos retirados das mais variadas produções e que serão exibidos ao longo das aulas. Com isso, pretende-se que os participantes abandonem a condição de espectadores passivos e assumam uma postura mais questionadora e sofisticada com relação ao que lhes é apresentado.

Assista a vídeos ilustrativos do curso aqui.

Para ler as avaliações do curso feitas pelos alunos das edições anteriores, clique aqui.

Já o currículo do professor pode ser lido aqui.

LOCAL DAS AULAS:

UNA - Instituto de Comunicação e Artes
Rua da Bahia, 1764
(Próximo à Praça da Liberdade)

 

QUANDO: 

De 25 a 29 de Setembro de 2017
Horário: das 19h às 22h


INSCRIÇÕES:

De 07 de agosto a 22 de setembro de 2017 (ou enquanto houver vagas)
Informações sobre valores, formas de pagamento e procedimento para matrícula através do email pablo@cinemaemcena.com.br

 

PÚBLICO-ALVO:

Cinéfilos amadores e “profissionais”; alunos de Comunicação; jornalistas e, claro, indivíduos que simplesmente amam o Cinema e querem desenvolver um olhar mais apurado sobre o mesmo.

EMENTA:

História da Crítica, Função e Formação do Crítico

 A primeira crítica da história. Os principais teóricos: Münsterberg, Balázs, Canudo, Tynianov, Kulechov, Eichenbaum, Eisenstein, Bataille, Kracauer, Bazin, Mitry, Metz, Xavier. Sistematização e teorização. Contextualização do filme em sua sociedade e época. Guiando o leitor em sua descoberta do Cinema. Como exprimir através da escrita algo que é visual? Falhas comuns do texto crítico. Imparcialidade e ética. Comparando visões. Conhecimento teórico-prático. Características do bom crítico. A estética do filme: definições básicas. Técnicas da profundidade. Plano. Representação sonora.

O Cinema e sua Linguagem, seu Tempo e sua Realidade

A evolução da linguagem e suas características. O corte. Explorando associações. Cinéma-verité; cinéma-stylo. A linguagem do Cinema e sua relação com o mundo exterior. A velocidade do Cinema. Manipulando o tempo. Elipses. Ritmo dos dias e noites fílmicos. Acelerando o tempo. Flashback e flashforward. O Cinema e sua própria realidade. Apagando as próprias pegadas. A sala de cinema. O confronto com a televisão. A luta contra a realidade da imagem. Mergulhando no inconsciente. A exportação cultural.

O Cinema e a Narração

O Cinema Narrativo e o Não-Narrativo. O filme de ficção. A diferença entre o significado e o referente. A organização da narrativa. Autor/narrador. Instância narrativa. A diegese. Códigos narrativos: intriga de predestinação e função hermenêutica. Funções narrativas. Personagens. Preocupando-se com o “realismo”. Verossimilhança e gênero.

A Montagem

Montagem x Edição. Efeito Kuleshov. A natureza do corte. A estrutura aberta. Objetos da montagem. Funções da montagem. A montagem produtiva. Figuras da montagem: o raccord e as planilhas de montagem. Ideologias: Eisenstein x Bazin. Avaliando a montagem.

O Espectador e o Fenômeno da Identificação

Cinema e Psicologia Experimental. Münsterberg e o efeito-fi. O fenômeno da visão. Impressionismo, expressionismo e o cinema soviético. A impressão da realidade. A formação do “eu”, a identificação primária, a fase do espelho, complexo de Édipo, identificação secundária e suas relações com o fenômeno narrativo. Carência e regressão narcisística. A dupla identificação no Cinema. A moral mutável.

Roteiro e Direção

Duelo antigo: roteiristas x diretores. Os créditos de vaidade. De quem é o filme, afinal? O que é o roteiro? Ação x diálogos. Formatação. Estrutura. Georges Polti, Frank Daniel e Syd Field. Ferramentas do roteiro: premissa, ação, tempo e espaço; drama objetivo e subjetivo; subtexto; ironia dramática; elipse e elaboração; culminância e resolução; anúncio e elementos do futuro; deus ex machina x verossímil; diálogos. O papel do diretor. Intervenção x discrição. O poder da câmera. O plano-seqüência. Dirigindo atores. O poder do não-visto. Praticando a observação.

Direção de Arte, Fotografia e Som

Os aspectos visuais de um filme. Direção de arte: recriando o real; criando fantasias; exprimindo emoções. Lentes, câmeras, filmes, iluminação, cores. Composição de quadros. Sincronização de cores. Noite americana. Filmagem noturna. Steadicam. O grão. Artefatos de movimento (limite Nyquist). Segunda unidade. A trilha de som. Som diegético. Mixagem e dublagem.

Metodologia de Trabalho e Cotações

Anotações. Organizando as notas. Criando a estrutura. A tortura do papel em branco. Revisando. Tipos de cotações. Como ser publicado? Cabines. Iniciando a carreira.

CARGA HORÁRIA TOTAL:

15 horas/aula

INVESTIMENTO:

Informações por email.

ATENÇÃO: Caso o aluno traga um ou mais acompanhantes para realizar o curso, cada um ganhará um desconto de 10% no valor do curso à vista.

O material didático (guias de aula) e os certificados já estão inclusos no valor final.

Os interessados devem entrar em contato através do email pablo@cinemaemcena.com.br para que possam receber as instruções relativas à matrícula no curso.

NÚMERO LIMITADO DE VAGAS

Publicidade
Publicidade
Publicidade