Críticas por Pablo Villaça

Poster: Bye-bye, Germany
Datas de Estreia: Nota:
Brasil Exterior Crítico
24/08/2017 06/04/2017
Distribuidora
Mares Filmes

 

 


Bye-bye, Germany
Es war einmal in Deutschland...

Bye-bye, Germany

Dirigido por Sam Garbarski. Roteiro de Michel Bergmann e Sam Garbarski. Com: Moritz Bleibtreu, Antje Traue, Tim Seyfi, Mark Ivanir, Anatole Taubman, Jeanne Werner, Hans Löw, Pál Mácsai, Václav Jakoubek.

Um dos fatores que tornam eventos como os festivais de Berlim, Cannes e Sundance tão interessantes é o fato de seus filmes serem inéditos, de estarem sendo expostos mundialmente ao público pela primeira vez. Aliás, justamente por isso, é relativamente comum que muitos destes títulos cheguem às suas premières sem distribuidores associados, já que estes usam a reação do público como termômetro para o interesse que a obra poderá gerar e, consequentemente, seu potencial comercial.

Não foi isto que ocorreu com Bye-Bye, Germany, que já surgiu na tela em sua primeira sessão em Berlim com a vinheta da Warner como distribuidora nos Estados Unidos. Aliás, depois de assistir ao filme, tornou-se fácil entender o motivo, já que se trata de uma daquelas produções que, trazendo a história (supostamente) real de um sobrevivente do Holocausto, é contada de maneira leve o bastante para não deprimir o público, aumentando seu apelo – e o fato de isto prejudicá-la parece ser irrelevante.

Dirigido por Sam Garbarski a partir de um roteiro que co-escreveu com Michel Bergmann, o longa gira em torno de David Berman (Bleibtreu), que solicita uma licença para abrir uma loja na Alemanha pós-Guerra, como era direito de todo judeu, mas se surpreende ao receber uma recusa. Para contornar o problema, ele reúne um grupo de conhecidos e passa a vender lençóis, toalhas e itens similares para famílias alemãs. E por que alemãs? Porque as táticas de venda adotadas frequentemente cruzam a fronteira do golpe, o que eles justificam moralmente como sendo uma espécie de “vingança judia”. Ao mesmo tempo, o protagonista passa a ser interrogado por uma oficial do exército norte-americano, Sara (Traue), e descobre estar sendo investigado sob a suspeita de ter colaborado com os nazistas.

A partir disso, o filme passa a ser estruturado em torno da série de depoimentos durante os quais David revela como seu talento para contar piadas não apenas salvou sua vida como o colocou suficientemente próximo a Hitler para imaginar a possibilidade de matá-lo (e por isso ressalto o “supostamente”). Aliás, um dos problemas de Bye-Bye, Germany diz respeito justamente à falha lógica da qual o roteiro depende para desenvolver sua narrativa, já que as conversas entre David e Sara são interrompidas com tanta frequência, para que possam durar toda a projeção, que o depoimento se arrasta implausivelmente pelo que parecem ser semanas.

Mas o maior problema da obra é o conflito entre seu desejo de ser leve o bastante para divertir o público e seus esforços constantes para exibir gravitas – uma contradição que o condena a falhar em ambos os propósitos. Mas se as tentativas de humor são infantis (como a “piada” recorrente que traz o protagonista arrumando com cuspe os cabelos de um colega, mas sempre fracassando em domar uma mecha), acabam se revelando suficientes para eliminar completamente o peso dramático em potencial de incidentes que deveriam emocionar, como o suicídio de um conhecido de David ou seu reencontro com um oficial que comandava o campo no qual foi mantido.

E por mais que o filme tente manter o espectador incerto acerca da verdade por trás das histórias do sujeito, estas tentativas jamais convencem, eliminando, com isso, a última chance de complexidade do projeto.

Texto originalmente publicado como parte da cobertura do Festival de Berlim 2017.

09 de Fevereiro de 2017

(Se você curte as críticas que lê aqui, é importante que saiba que o site precisa de seu apoio para continuar a existir e a produzir conteúdo de forma independente. Para saber como ajudar, basta clicar aqui - só precisamos de alguns minutinhos para explicar. E obrigado desde já pelo clique!)

Sobre o autor da crítica:

Pablo Villaça, 18 de setembro de 1974, é um crítico cinematográfico brasileiro. É editor do site Cinema em Cena, que criou em 1997, o mais antigo site de cinema no Brasil. Trabalha analisando filmes desde 1994 e colaborou em periódicos nacionais como MovieStar, Sci-Fi News, Sci-Fi Cinema, Replicante e SET. Também é professor de Linguagem e Crítica Cinematográficas.